Artigos IstoÉ destaca a “força das pastoras” no Brasil

freeimage-6870325

 

 

 

 

 

 

 

A revista IstoÉ desta semana destaca a força das pastoras na igreja brasileira.

Após ouvir várias mulheres em posição de liderança e compilar dados, veio a conclusão: quase metade do corpo pastoral é feminino.

Embora nem todas assumam o púlpito, sua influência é cada vez maior. Cristiane Cardoso, filha do bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus vendeu mais de um milhão de cópias do seu livro “Casamento Blindado”. Um feito histórico num Brasil hoje governado por uma mulher.

“Entendemos que a liderança da mulher é uma necessidade da igreja e vai muito além do título ou cargo que ela exerce. Temos pastoras consagradas no Brasil e ao redor do mundo”, explica Cristiane que é casada com Renato, pastor da IURD, com quem também divide a apresentação do programa “Escola do Amor”, da Rede Record.

Uma das mais antigas e conhecidas pastoras do Brasil é Sônia Hernandes, hoje bispa da Igreja Renascer em Cristo. Pregadora, cantora, autora e apresentadora de TV, ela abriu caminho para milhares de outras em várias denominações. “Sem o viés feminino que Sônia trouxe à igreja, por certo a denominação não teria tido tanto avanço como houve no Brasil”, explica Rogério Rodrigues da Silva, pesquisador da Universidade de Brasília.

Possivelmente a mais influente pastora dessa nova geração é Ana Paula Valadão, da Igreja Batista da Lagoinha, fundada pelo pai dela. Com sede em Belo Horizonte, 44,6% do corpo pastoral da Lagoinha é do sexo feminino. Aos 37, Ana Paula é uma das mais famosas cantoras do movimento gospel. Ela explica que estudou em um seminário para poder ser consagrada. “Algumas cantoras começaram a se destacar nos grupos de louvor e um dos desdobramentos disso foi o reconhecimento da capacidade que a mulher tem para exercer a função de liderança, inclusive em outras frentes”, conclui.

Inegavelmente, as mulheres conquistaram seu espaço mesmo nas denominações mais tradicionais. Entre os metodistas e os anglicanos elas ocupam aproximadamente 30% dos cargos de liderança na igreja. No mês passado, a Assembleia de Deus, maior denominação do Brasil, pela primeira vez permitiu que mulheres fossem consagradas evangelistas. Samuel Ferreira, um dos principais líderes da Assembleia admite: “Já não dá mais para negar a importância da mulher dentro das nossas igrejas. Eu não tenho o direito de negar a elas a prerrogativa de exercerem essa liderança.”

Segundo a IstoÉ, ainda é bem maior o contingente de religiosas escaladas para tarefas como limpar e ornamentar a igreja, cozinhar e assessorar pastores em visitas externas. Contudo, cresce o número de mulheres pregando em púlpitos, batizando, realizando casamentos e celebrando a ceia em muitos templos.

Sarah Sheeva é outro bom exemplo da influência das pastoras cantoras. Assim como Sônia Hernandes e Ana Paula Valadão, ela também se tornou conhecida primeiramente pela música. Filha da também pastora Baby do Brasil, dedicou 16 anos à denominação. Aos 40, mudou-se do Rio de Janeiro para Goiânia. Agora prefere ser uma pastora missionária e viajar pelo Brasil para pregar. Conhecida por realizar o “Culto das princesas” seu canal no YouTube já foi visto por mais de dois milhões de pessoas. “Pessoas ficam com um pé atrás quando chego. Pensam: ‘Mas é essa jovem que vai trazer a palavra, ministrar um congresso” Temos de nos esforçar duas vezes mais para ganhar a confiança”, explica.

Aos que questionam a ordenação delas, a pastora Simone Saiter, 40, da Igreja Viva Praia da Costa explica que a passagem de 1 Coríntios 14:34 não deveria mais ser usada como impeditivo. Para ela, o silêncio exigido naquela época era parte de um contexto cultural. Como os cristãos se reuniam em sinagogas, as mulheres não podiam se manifestar. Dois mil anos depois, a realidade é outra.

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *. Obs.: Enviando este comentário você estará garantindo uma licença perpétua para reproduzir aqui sua opinião, nome e site. Comentários ofensivos ou inapropriados serão removidos. Seu e-mail é usado apenas para fins de verificação, e não será publicado ou compartilhado de forma alguma..